Fundador do Telegram provoca rival e diz que “o WhatsApp nunca será seguro”

By: Márcio Padrão

Agora que o Telegram voltou ao noticiário brasileiro por conta das reportagens do portal “The Intercept” com conversas privadas dentro do app entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da Lava-Jato Deltan Dallagnol, vale lembrar que o aplicativo de mensagens deu há algumas semanas uma boa cutucada em seu eterno rival, o WhatsApp.

Um artigo assinado por Pavel Durov, o russo cofundador e atual executivo-chefe do Telegram, foi publicado no site oficial do app com o provocativo título: “Por que o WhatsApp nunca será seguro”. E não é uma pergunta, pois não termina com ponto de interrogação. Durov está afirmando mesmo.

Publicado em 15 de maio, antes das reportagens do “Intercept”, o texto começa recuperando duas falhas de segurança recentes envolvendo o WhatsApp: uma de maio deste ano, dava ao hacker a capacidade de vigiar remotamente os celulares-alvo por meio da câmera e do microfone do celular, além de extrair dados diversos do aparelho; e outra noticiada em outubro de 2018, que dava aos hackers o poder de travar o WhatsApp de terceiros a partir de uma chamada de vídeo.

E aí é que Durov vem com a tese dele:

“Toda vez que WhatsApp precisa consertar uma vulnerabilidade crítica em seu aplicativo, um novo aparece seu lugar. Todos os seus problemas de segurança são convenientemente voltados à vigilância, e se parecem e funcionam como backdoors.”

Pavel Durov, cofundador do Telegram.

“Backdoor” (“porta dos fundos”), para quem não sabe, é o termo técnico para um tipo de brecha de segurança que permita extrair dados pessoais e sensíveis de um programa ou sistema operacional sem que seu usuário se dê conta disso. Um backdoor pode ser implementado de propósito pela desenvolvedora do software.

Durov continua: “Em vez do Telegram, o WhatsApp não é de código aberto, então não há como os pesquisadores de segurança verificarem se há backdoors em seu código. O WhatsApp não apenas publica seu código, mas também faz o oposto: o WhatsApp ofusca deliberadamente os binários de seus aplicativos para que ninguém seja capaz de estudá-los”.

Mais: https://noticias.uol.com.br/tecnologia/noticias/redacao/2019/06/17/fundador-do-telegram-provoca-rival-e-diz-que-o-whatsapp-nunca-sera-seguro.htm

”Aqui é o hacker”, diz mensagem em grupo do Conselho Nacional do MP

By: Agência Estado

 

Um outro torpedo dizia que o caso revelado por site era apenas ”uma amostra do que vocês vão ver na semana que vem”

O celular de um membro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) foi aparentemente invadido na noite de terça-feira (11/6). O número do conselheiro foi usado para enviar uma mensagem ao grupo do CNMP no aplicativo Telegram. Um dos torpedos dizia que o caso revelado no domingo (9/6) pelo site The Intercept Brasil, envolvendo o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, era apenas “uma amostra do que vocês vão ver na semana que vem”.

As mensagens foram disparadas do celular do conselheiro Marcelo Weitzel Rabello de Souza, por volta das 23h. Os colegas estranharam o tom dos torpedos e começaram a questionar o conselheiro no grupo. Na sequência, receberam outro torpedo dizendo: “Aqui é o hacker”.

Os conselheiros então ligaram para Souza, que argumentou que não estaria usando o aparelho no momento dos envios das mensagens. O conselheiro nega que seja uma brincadeira dele com os colegas.

Segundo fontes, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também pode ser uma das participantes desse grupo de Telegram do CNMP. Ela preside o colegiado, que usa o chat de forma institucional, para agendamento de datas de julgamentos ou troca de opiniões. Procurada, Raquel Dodge ainda não retornou para comentar.

Na segunda-feira (10/6), o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, instaurou reclamação disciplinar para apurar as trocas de mensagens envolvendo o procurador Deltan Dallagnol. A instauração da reclamação foi feita com base nos pedidos dos conselheiros Luiz Fernando Bandeira, Gustavo Rocha, Erick Venâncio e Leonardo Accioly. O corregedor nacional também determinou a notificação dos membros do Ministério Público Federal integrantes da Operação Lava-Jato para manifestação no prazo de 10 dias.

Mais: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/06/12/interna_politica,762267/aqui-e-o-hacker-diz-mensagem-em-grupo-do-cnmp.shtml

Site divulga trechos de mensagens atribuídas a procuradores da Lava Jato e a Sérgio Moro Moro

By: G1 Rio

O site diz que procuradores, entre eles Deltan Dallagnol, trocaram mensagens com o atual ministro da Justiça sobre alguns assuntos investigados. Os alvos das conversas denunciaram recentemente que tiveram seus celulares hackeados ilegalmente.

O site “Intercept” divulgou na noite deste domingo (9) trechos de mensagens atribuídas a procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e ao então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, extraídas do aplicativo Telegram.

Os alvos dessas conversas denunciaram recentemente que tiveram seus celulares hackeados ilegalmente, o que é crime.

O “Intercept”, no entanto, disse que obteve os diálogos antes dessa invasão. Segundo o site, as informações foram obtidas de uma fonte anônima. O site diz que procuradores, entre eles Deltan Dallagnol, trocaram mensagens com Moro sobre alguns assuntos investigados.

Segundo o site “Intercept”, o então juiz Sérgio Moro orientou ações e cobrou novas operações dos procuradores. Em um dos diálogos, Moro pergunta a Dallagnol, segundo o site: “Não é muito tempo sem operação?” O chefe da força-tarefa concorda: “É, sim”.

Numa outra conversa, o site diz que é Dallagnol que pede a Moro para decidir rapidamente sobre um pedido de prisão: “Seria possível apreciar hoje?” E Moro responde: “Não creio que conseguiria ver hoje. Mas pensem bem se é uma boa ideia”.

Nove minutos depois, Moro, segundo o “Intercept”, adverte a Dallagnol: “Teriam que ser fatos graves”.

Mais: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/06/09/site-divulga-trechos-de-mensagens-atribuidas-a-procuradores-da-lava-jato-e-a-sergio-moro.ghtml